Arquivo

Posts Tagged ‘Mercado editorial’

Mercado em processo de consolidação

21 de março de 2014 2 comentários

Se respeitada a produção nacional, união da Companhia das Letras com a Objetiva pode trazer consequências benéficas

Carlo Carrenho
Especial para o Estado

O mercado editorial brasileiro foi surpreendido na última quarta-feira pela união da Companhia das Letras com a Objetiva, consequência direta da aquisição de todos os selos literários da espanhola Santillana pela Penguin Random House (PRH), o maior grupo editorial do planeta. Comoa PRH é dona de45% da Companhia e a Santillana tinha 76% da Objetiva, era natural que as empresas se unissem, e isso aconteceu sob o guarda-chuva da recém-criada Penguin Random House Brasil. Mas quais são as consequências dessa união para o mercado e para os leitores?

Para os leitores, ainda é um pouco cedo para dizer. As duas empresas já declararam que selos e catálogos seguem independentes. E isso é bastante normal no caso de fusões e aquisições de sucesso. O contrário, quando selos adquiridos são abandonados ou fechados, sempre traz péssimos resultados. Ainda assim, o novo grupo pode optar por lançar menos livros do que as duas editoras de forma independente. Só o tempo dirá.

Em momentos de entrada ou ampliação da participação de grupos estrangeiros no Brasil, algo que causa arrepios em muitos escritores e aficionados da literatura brasileira é a possibilidade de se publicar mais autores estrangeiros em detrimento dos autores acionais.Não acredito nesta possibilidade na Penguin Random House Brasil e não foi o que aconteceu na Companhia das Letras desde a chegada da Penguin. Na realidade, os grandes grupos estrangeiros são empresas que buscam maximizar vendas e lucro e, nesse sentido, terão tanto interesse em publicar seus best-sellers no Brasil quanto em publicar e desenvolver autores brasileiros de sucesso e até traduzi-los na América Latina e no resto do mundo. Nenhum grupo editorial internacional compraria editoras com habilidade de descobrir e publicar autores nacionais, como a Objetiva e a Companhia, para transformá-las em uma fábrica de tradução.

Mas se a bibliodiversidade não está ameaçada por esses motivos, está por outros. A união entre Companhia e Objetiva é mais um passo em um longo processo de consolidação do mercado, que reflete uma tendência mundial. E quanto maior a concentração, menor o espaço das editoras médias e pequenas, que garantem a diversidade do mercado editorial. O risco então para o leitor está na diminuição das chances de sobrevivência de editoras de menor porte.

O mercado de livros no Brasil, no entanto, está longe de uma grande concentração. Enquanto no mundo anglófilo há cinco grandes grupos e o mundo hispânico tem agora apenas duas grandes casas, o mercado brasileiro ainda  é fragmentado. Companhia e Objetiva somadas responderam por apenas 6% das vendas em livrarias nos dois primeiros meses de 2014, segundo a Nielsen. E ainda que se considere apenas o mercado de livros de interesse geral, a concentração não é alta.

Mas essa fragmentação não é sustentável a longo prazo. E a união entre Companhia e Objetiva pode ser um catalisador deste processo. Há agora dois grupos consolidados fortes no mercado de livros brasileiro: a Penguin Random House Brasil e o grupo Sextante-Intrínseca (a primeira é dona de 50% da segunda). Diante deste cenário, editoras como Ediouro, Rocco e Record devem buscar oportunidades de fusão e aquisição para garantir sua participação neste mercado já mais consolidado.

Do lado dos estrangeiros ,o desafio é o mesmo. Os grupos internacionais, particularmente os de forte atuação no mercado anglófilo, vão passar as próximas semanas reavaliando seus planos para o mercado brasileiro. Se eles não se mexerem rapidamente e buscarem uma entrada no Brasil, correrão o risco de verem a Penguin Random House nadar de braçada no nono maior mercado editorial do mundo.

E se de um lado a bibliodiversidade sai perdendo, por outro, há vantagens com a consolidação e com a chegada de grupos estrangeiros. O fato é que a cadeia do livro no Brasil ainda é bastante amadora e tem forte presença de empresas familiares – isto vale para editoras, distribuidoras e livrarias. Ainda estamos a anos- luz do profissionalismo visto nos mercados de países como EUA e Alemanha. O caminho logístico e comercial do livro desde o autor até o leitor no Brasil ainda é repleto de ineficiências que causam perdas e prejudicam a todos, incluindo o leitor. Este, por exemplo, acaba pagando mais caro pelo livro e tem imensa dificuldade de encontrá-lo.

A entrada de grandes grupos estrangeiros no Brasil pode ajudar a resolver esses problemas, com o aumento do profissionalismo das editoras e a instauração de melhores práticas de mercado. Mas para que isso aconteça, é preciso que as editoras brasileiras reconheçam suas fraquezas e que os grupos internacionais saibam respeitar o conhecimento  local. E é o que a Companhia e a Penguin vêm fazendo desde 2011. Mantido este espírito na nova Penguin Random House Brasil, o mercado e mesmo os leitores terão muito a ganhar– a concorrência e a bibliodiversidade que se cuidem.

Carlo Carrenho é consultor editorial
e fundador do PublishNews,
boletim de notícias do mercado editorial.

[Artigo publicado originalmente na edição de 21/3/2014 de O Estado de S.Paulo.]

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: