Início > Feiras, Frankfurt > O último dia em Frankfurt…

O último dia em Frankfurt…

… ou quase. Na verdade sábado e domingo (9 e 10) ainda rola a Feira, mas agora aberta ao público. Já me disseram que é uma loucura, mas amanhã vou passar por lá pra conferir. Ops!, é sobre o dia de hoje que vou contar.

Depois de ter ido dormir um bocado tarde ontem, escrevendo matérias para o PublishNews de hoje – umas 2h30 da manhã –, tive que levantar às 6h30 pra poder pegar o trem em tempo de chegar para o café da manhã que os editores canadenses ofereceram aos brasileiros na madrugada desta sexta-feira (8), às 8h.

Estou saindo para a estação e ao passar pelo lobby encontro meu amigo Thomas Minkus que já havia chamado um taxi porque estava “se mudando” para outro hotel. Ofereceu-me carona e é claro que eu fui! Resultado: cheguei à Messe meia hora mais cedo do que o previsto. Mas como sou meio neurótico com horário, prefiro antecipado do que atrasado.

E não é que foi bom? Depois de uns dez minutos sentado à porta do Hall 8.0, chega meu outro amigo, Jens Bammel, que está vindo preparar algumas coisas para uma palestra. Cool! Isso nos dá tempo para um papo rápido.

Bom, hoje estou um bocado cansado, depois de andar feito um camelo por três dias. Mas até que para ser honesto, curti essa andação pela cidade alemã – que aliás um taxista definiu pra mim como a “maior vila do mundo”! Adorei.

Voltando à aventura diária, desta vez começou com o café da manhã no estande do Canadá. Excelente. Folhados, croissants, frios, sucos, café, leite e chá; ninguém podia reclamar, a não ser da possibilidade de ganhar uns quilinhos ali (o que não é nenhum problema quando se considera a distância percorrida diariamente).

Breakfast encerrado e vou colocar “o pé na estrada” (ou melhor, nos corredores da FBF10). Ainda não visitei muito porque surgiram vários encontros e entrevistas não programados antes da saída de Sampa. Mas antes, vamos à entrevista do Carlo Carrenho com o Newton Neto, da Singular.

Ai caramba!, agora tenho que correr pra editar a matéria sobre a entrevista e mandar pra Maria Fernanda revisar. Pausa no tempo e dou uma corrida no escritório da PublishingPerspectives, onde tenho acesso à internet e um cantinho numa das mesas pra trabalhar. Matéria escrita e enviada, melhor voltar à agenda. Participar, em 15 minutos, do debate sobre o livro digital e os direitos autorais, organizado pela IPA no Hall 4.0 – e eu estou no 8.0. Jesuis, que caminhada…

Chegamos, Carlo e eu, na sala com cinco minutos de atraso: lotado. Não é possível entrar. …

Depois de alguma tensão, nada demais!, cada um vai pr’um lado. Resolvi dar uma caminhada pela Feira e conhecer a Gourmet Gallery. Lindo. Um espaço reservado aos cook books. Depois uma caminhada ao Centro de Imprensa. E à entrada, no café do jardim, a grada surpresa de encontrar Pedro Almeida e Mariana Rollier, grandes amigos – e mais tarde um pouco, entre uma correria do Hall 3.0 para o 6.0, também encontrei com Mauro e Marilene Terrengui. Grande dupla!

Aliás, hoje foi dia de encontrar muitos amigos; da terra brasilis, ainda teve Ubiratan Brasil e Guilherme Freitas, e internacionais, como a Isabel Coutinho, Álvaro da Costa e outros. No centro de imprensa, foi legal “colocar um rosto” nos emails e telefonemas que troquei com Nina Klein, da Frankfurt Book Fair. E ela me apresentou a galera que trabalha nos press releases da Feira. Que turma “da pesada”!

Aguenta que falta pouco pra sairmos da feira – o que não significa obrigatoriamente terminar o dia. Mais uma passada no estande tupiniquim para marcar presença no coquetel, e partimos para um jantar muito especial.

Mas como o jantar seria só às 20h30 e era obrigado a deixar a Feira ou seria trancado lá até o dia seguinte, fui com o Castilho e a Miriam Gabbai ao Conrad – tipicamente alemão. Só um pit stop pra uma loira gelada e umas salsichas… E já é hora de ir jantar.

Pé na rua e Google maps na mão, será uma caminhada de apenas 20 minutos. Sabe que Frankfurt é uma cidade deliciosa para se caminhar? Tudo plano e o clima desta noite estava bem agradável. Fui!

Um restaurante tranquilo, numa região nada conhecida pelos habitues da FBF. Tão bom que não vou contar a ninguém onde é – por favor, licença pra ser egoísta! Thomas Minkus e alguns da galera da PublishingPerspectives nos convidaram para essa noite adorável. Super jantar, com menu completo de três pratos. E os vinho também eram de primeira.

Pronto. Estou de volta ao quarto e terminando minha última intervenção no blog durante a viagem. Pode ser que ao voltar ao Brasil mais alguma aventura de viagem vire mais um post. Se assim não for, a gente se vê por aqui de algum outro jeito. Valeu!

Anúncios
Categorias:Feiras, Frankfurt
  1. 14 de outubro de 2010 às 4:23 am

    Que Feira!! Maravilhosa, apesar de ter gostado mais da Feira, do ano anterior, mas nao posso reclamar, fiz muitos contatos, conheci muita gente, entre eles até mesmo um Nobel da literatura, conversamos um pouco, mas oque dizer a um Nobel da Literatura??!! Difícil pergunta, ou nao…! Entre tantos Stands, massagistas pelo caminho (se anda muito nesta feira), misturas de cores e sabores, lá estavam os protagonistas, os livros, de todas as formas, cores e tamanhos, que o diga o autor da Austrália!! Perdi o café da manha do Canadá, mas saboreei um delicioso coquetel oferecido pela CBL no Stand do Brasil, simplesmente divino, regado a um bom vinho, o brasileiro Miolo.
    Homenagens a Saramago, Borges e tantos outros escritores, que neste momento respondo a quem me pergunta: Eu escrevo alguma coisinha!!! Com humildade, com modéstia, mas oque dizer frente a frente aos grandes?!
    Amei, amo e amarei para todo o sempre esta Feira! Próximo ano Islândia, ano 2012 Enigma, 2013 nosso Brasil e 2014 finl^ndia, mas qual será o país homenageado em 2012, por que tanto mistério?!
    Bem, ainda tenho malas de livros e mais livros para arrumar, as pernas e pés ainda estao doloridos de tanto andar, foram horas e horas, quilometros sem fim, na Feira que nao tem pastel.
    Mas feliz, de poder ter apresentado mais um livro na Feira “A lenda do lago negro” depois do “Mozart no futuro”que foi traduzido para quatro idiomas, volto ao trabalho com a cabeca cheia de novas idéias e muita motivacao para o ano que vem.
    Até!
    Abracos (já nevados) da Austria,

    Tânia Maria Rodrigues-Peters
    tania-maria@rodrigues-peters.com

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: